O que realmente pode mudar o mundo?


Todos queremos um mundo melhor. Mas o que caracteriza esse nosso imaginável mundo perfeito?
Se entrevistássemos um grupo de pessoas de diferentes países com contextos sociais distintos e tomássemos de suas opiniões as que fossem mais comuns, o que obteríamos? Creio que você há de concordar comigo que a resposta mais repetida entre todas seria "paz".

Em toda a história da humanidade paz foi o que mais nos faltou, o ser humano nunca conseguiu sustentar por muito tempo a harmonia. Podemos ser bem reducionistas e simplesmente dizermos que isso é fruto do pecado, da nossa natureza corrompida pelo mal. Ou em termos filosóficos apontarmos para o nosso constante desejo de abstrair o que chamamos mau pelas nossas próprias forças, o que em contrapartida nos fará por vezes abrirmos mão da paz. 

Fato é que a questão é bem mais complexa. A realidade é que a maioria de nós desconhecemos o que seja realmente a paz. Não que ninguém nunca a tenha experimentado, com certeza muitos já tiveram uma  ou várias experiências momentâneas de paz, mas a paz a qual me refiro é muito mais que uma experiência presa a um instante de tempo seja ele de que tamanho for.

Jesus disse aos seus discípulos "Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração nem se atemorize"(Jo 14.27). Observemos alguns detalhes nesta declaração de Jesus:

"Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou"

Jesus está deixando na terra uma valiosa herança para os seus discípulos, a sua própria paz. 
Mas que paz é essa que o filho de Deus trazia consigo?

Se lermos os Evangelhos veremos Jesus sendo confrontado em várias situações as quais qualquer ser humano comum sucumbiria ao total desespero, ou, no minimo, a um desalento existencial. 

Nossas piores batalhas são as que travamos interiormente, quando o nosso Eu é ferido por ofensas que nos fazem duvidar de quem somos ou almejamos ser. A paz começa em nós assim como termina. Se estamos bem transmitimos o bem, e todo bem se reveste de paz. Mas se algo em nós vai mal estamos prontos pro ataque, como animais feridos nos acuamos é uma forma de nos defendermos de mais prováveis ataques, visto que alguém que está mal faz guerra por tudo e naturalmente será confrontado.

Jesus, no entanto, não se valia de tais artifícios, as Escrituras Sagradas nos mostram um homem que não se deixava abalar por aquilo que o cercava, falo aqui no contexto de não perder a paz. Vemos com Jesus que a verdadeira paz é ser imutável em seus mais profundos e primários sentimentos. Nada que fizessem a Jesus poderia tirá-lo da segurança que este encontrava naquilo o qual ele estava revestido, o amor.

Podemos então afirmar com segurança que a fonte da paz é o amor, ou seja, se nós amássemos tudo aquilo que envolve a nossa existência não haveria porquê estabelecer conflito com nada que nos afligisse por determinado momento neste mundo.

O único embate real ao qual deveríamos nos submeter seria contra a maldade nossa e do mundo, no entanto, em nenhum momento nós sucumbiríamos neste conflito a um sentimento que usurpasse de nós todo amor pelo qual nos sustentamos. Deixando de maneira clara, seria como Jesus pregado na cruz e diante de seus algozes assassinos declarando que o que havia dentro dele era inabalável "Pai perdoa-lhes eles não sabem o que fazem", assim nós mesmo afrontados conseguiríamos revelar nosso mais predominante sentimento, o amor, ainda que o quisessem apagar.

"Não vo-la dou como o mundo a dá"

A paz de Jesus não é como a que o mundo conhece, ela não se deixa condicionar por circunstâncias, muito pelo contrário, ela não necessita de meios externos para se evidenciar. O mundo precisa de uma construção externa de valores que propiciem esse sentimento, Jesus nos diz que tal sentimento deve partir de dentro de nós e que Ele pode nos dar tal condição de tê-lo.

Portanto a conclusão que chegamos é que quando dizemos que o mundo precisa de paz, na verdade deveríamos sempre deixar claro "O mundo precisa do mesmo amor de Jesus", sim, esse maravilhoso sentimento que pode não apenas nos sustentar diante de todas as adversidades, mas que nos faz ter paz e por isso sermos capazes de construí-la ao nosso redor. É por causa do amor que podemos obedecer a Jesus quando Ele nos diz "Orai pelos que vos inimigos", "Bendizei aos que vos perseguem", "Se alguém te ferir na face oferece a outra", somente quem está alicerçado no amor pode por amor viver e propagar a paz que o mundo desconhece mas que pode tornar-se conhecida através de nós discípulos de Jesus. 

"Bem aventurados os pacificadores, eles serão chamados filhos de Deus"(Mt 5.9).
Share on Google Plus

Sobre Eduardo Cruz

Não sou bem um escritor, sou um pastor que escreve.

0 comentários:

Postar um comentário